HL Informática Com. Serv. Ltda

Sistemas Integrados

Faturamento

Estoque

Fluxo Financeiro

Escrita Fiscal

Folha de Pagamento

Sistemas de Automação

Controle Automotivo

Controle de Vendas

Controle de Abastecimento

Controle Transportadoras

Controle de Ponto

   Seu IP é 54.90.159.192

Clientes
 

Cliente

Senha

 
 

Esqueceu a Senha

HL SYSTEMS
Página Principal
Sistemas
WebDesign
Notícias
Enquêtes
Clientes
Downloads
Artigos
Reportagens
A Empresa
Área de Atualização

Fale Conosco
Vendas
Suporte
AutosXP - Vendas
AutosXP - Suporte

 Últimas Notícias

13/10/2011 - Governo descarta mudança em política salarial para Correios

O ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) descartou nesta quinta-feira que o governo possa melhorar neste ano a política de reajuste salarial estabelecida pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho) aos funcionários dos Correios quando determinou o fim da greve da categoria.

Mais de 180 milhões de entregas têm atraso por greve

Apesar de reconhecer que o reajuste foi "pior" do que os trabalhadores reivindicavam, Carvalho disse que não há o que ser feito porque se trata de uma decisão judicial. A greve da categoria durou 28 dias. Os trabalhos estão sendo retomados a partir de hoje.

A decisão do TST prevê reposição na inflação de 6,87%, reajuste linear de R$ 80 a partir de outubro e um vale extra (alimentação) único de R$ 575. O resultado é muito abaixo da reivindicação inicial dos trabalhadores, que pediram reajuste de 7,16%, reposição das perdas dos últimos 16 anos de 24% e reajuste linear de R$ 400.

Os ministros do TST determinaram o desconto no salário de 7 dos 28 dias de paralisação. Os outros 21 serão repostos pelos funcionários em trabalho extra aos sábados e domingos.

"O governo não pode mexer nessa questão. É uma determinação da Justiça que será cumprida. Nós não temos mais o que fazer nesse ano salvo cumprir essa decisão. Do ponto de vista salarial, a proposta é boa. Tanto que a categoria tinha aceito essa proposta há cerca de 20 dias. O que ficou pendente era a questão dos dias parados."

Para o ministro, que é responsável pela interlocução com os movimentos sociais e sindicais, a posição intransigente do movimento de greve acabou prejudicando a categoria. Carvalho disse que o governo tentou uma "saída honrosa para os dois lados".

"Infelizmente, por várias vezes, os acordos realizados nas mesas não conseguiram ser traduzidos depois nas assembleias. Agora, a Justiça fez uma determinação menor do que os trabalhadores esperavam, é pior do que aquilo que estávamos propondo em acordo. Agora se trata de cumprir a determinação e só esperamos que as atividades agora voltem ao normal".

Carvalho disse que a determinação da presidente Dilma Rousseff é procurar o diálogo sempre. A Folha mostrou na segunda-feira que para os sindicalistas, o governo Dilma endureceu as negociações em relação ao governo Lula.

"A vida é assim quando é possível um acordo bem, quando não dá, vai para a Justiça. O governo não muda sua posição de seguir dialogando", afirmou.

BANCOS

O ministro reconheceu que o Planalto está preocupado com a greve dos bancários, mas disse esperar um desfecho em breve.

"Estamos preocupados com a greve dos bancários, que está vigente e também esperamos que haja uma solução. Há uma negociação marcada para a tarde de hoje, mas é um tipo de greve que o governo participa parcialmente através dos bancos estatais, mas estamos sabendo que se vislumbra uma saída para essa greve".

 

Agencia : FOLHA SP

 

 

 

 
 

HL Informática Com. e Serv. Ltda - © Copyright 2002 | Termos do Serviço | Privacidade